segunda-feira, dezembro 17Bem-vindo à bordo, Marinheiro!

Pesquisas

Desemprego tem nova queda em outubro, mas ainda atinge 12,4 milhões de pessoas

Desemprego tem nova queda em outubro, mas ainda atinge 12,4 milhões de pessoas

Emprego, Notícias, Pesquisas
A taxa de desemprego no Brasil caiu pelo sétimo mês seguido registrando 11,7% no trimestre encerrado em outubro, segundo dados divulgados nesta quinta-feira (29) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Ainda assim, atinge 12,4 milhões de pessoas no país. A população desocupada (12,4 milhões) caiu -4,0% (menos 517 mil pessoas) frente ao trimestre de maio a julho de 2018. No confronto com igual trimestre de 2017, houve redução de -3,1% (menos 389 mil pessoas). A queda foi puxada mais uma vez pelo aumento do número de trabalhadores sem carteira assinada e por conta própria, que bateram recorde. O número de empregados no setor privado sem carteira de trabalho assinada (11,6 milhões) subiu 4,8% em relação ao trimestre anterior, uma alta de 534 mil pessoas. Em relação ao
Central de atendimento ao trabalhador recebe 21,6 milhões de ligações

Central de atendimento ao trabalhador recebe 21,6 milhões de ligações

Emprego, Notícias, Pesquisas
Ao menos 250 mil ligações por mês são atendidas pela Central de Atendimento Alô Trabalho, canal de comunicação direto entre o Ministério do Trabalho e o cidadão brasileiro. Entre janeiro e outubro deste ano foram mais de 2 milhões de ligações para esclarecer dúvidas sobre ações, programas e serviços da pasta. Desde que foi inaugurada, em 31 de abril de 2015, a central realizou 21,6 milhões de atendimentos. “O Alô Trabalho presta um serviço célere e gratuito ao cidadão. Além de desafogar as unidades de atendimento do ministério em todo país, a central facilita o atendimento para os trabalhadores que não tem nenhuma unidade do MTb próximo à sua residência, pois ele pode ligar para o 158 a qualquer momento e ter suas dúvidas esclarecidas”, destaca Thalyta Caroline Fernandes, responsável pe
Teresina fecha mais de 800 postos de trabalho em 12 meses, aponta Caged

Teresina fecha mais de 800 postos de trabalho em 12 meses, aponta Caged

Emprego, Notícias, Pesquisas
A capital do Piauí apresentou saldo negativo de 803 postos de trabalho com carteira assinada em 12 meses, de outubro de 2017 a outubro deste ano. Os dados foram divulgados nesta quarta-feira (21) pelo Ministério do Trabalho por meio do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (Caged). O número é o resultado entre trabalhadores admitidos e desligados no período. No mês de outubro de 2018, Teresina fechou 365 vagas – saldo de 4.701 desligamentos contra 4.336 admissões. No acumulado do ano, o saldo na capital é positivo (278). Em todo o Piauí, 250 postos de trabalho foram criados em outubro deste ano (7.326 admitidos e 7.076 desligados). No ano, são 6.299 postos criados. No acumulado de 12 meses, o saldo positivo é de 3.552. No mês de outubro de 2017, no entanto, o saldo havia sido b
Teresina é a segunda capital mais negra do país, segundo IBGE

Teresina é a segunda capital mais negra do país, segundo IBGE

Emprego, Mais lidas, Notícias, Pesquisas
Em 2017, 8 em cada 10 moradores de Teresina se declararam negros ou pardos, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Os negros (pretos + pardos) representavam 79,8% das pessoas que viviam na cidade naquele ano. No ranking no IBGE, a capital piauiense perdeu apenas para Salvador (82,1% de pretos e pardos) conhecida como capital negra do país. São Luís, no vizinho estado do Maranhão, aparece com 78,4% de negros, conforme os dados da pesquisa, seguida de Macapá (78%), Manaus (77,7%) e Belém (77,4%). A vice-liderança de Teresina em relação à participação de negros no total da população se deve sobretudo à maior presença de pessoas que se declararam de cor parda – 68,4% da população em 2017. A par
Mais de 3 milhões de brasileiros buscam emprego há mais de dois anos

Mais de 3 milhões de brasileiros buscam emprego há mais de dois anos

Emprego, Notícias, Pesquisas
Um em cada quatro desempregados busca emprego há dois anos ou mais, segundo dados divulgados esta semana na Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (Pnad Contínua) do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). No terceiro trimestre, o Brasil alcançou um recorde de 3,197 milhões de pessoas em busca de emprego há dois anos ou mais. No trimestre anterior, esse contingente era de 3,162 milhões de desempregados em busca de uma vaga há tanto tempo. Em relação ao terceiro trimestre de 2017, aumentou em 12,3% o contingente de desempregados há pelo menos dois anos. O nível de desocupação no total do país no terceiro trimestre de 2018 foi de 11,9%, ante 12,4% no segundo trimestre.
Taxa de trabalhadores por conta própria chega a 31,9% no Piauí, segundo Pnad Contínua

Taxa de trabalhadores por conta própria chega a 31,9% no Piauí, segundo Pnad Contínua

Emprego, Notícias, Pesquisas
Um percentual de 25,4% da população ocupada no Brasil trabalha por conta própria. O dado foi revelado pela Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) divulgada nesta quarta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), reverente ao terceiro trimestre de 2018. De um total de 92,6 milhões de pessoas ocupadas, 67,5% eram empregados (incluindo empregados domésticos), 4,8% empregadores e 2,4% de trabalhadores familiares auxiliares. Por Unidades da Federação, os maiores percentuais de trabalhadores por conta própria foram do Pará (34,6%), Maranhão (33,8%) e Amazonas (33,0%). O Piauí vem logo em seguida, no quarto lugar, com 31,9% de pessoas trabalhando por conta própria. A taxa do estado ficou acima da média nacional (25,4%). Nas Regiões
Piauí tem o segundo menor percentual de trabalhadores com carteira assinada, diz IBGE

Piauí tem o segundo menor percentual de trabalhadores com carteira assinada, diz IBGE

Emprego, Notícias, Pesquisas
O estado do Piauí registrou 54,1% dos empregados no setor privado com carteira de trabalho assinada no 3º trimestre de 2018, ficando atrás apenas do Maranhão (51,1%). Os dados são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua) divulgada nesta quarta-feira (14) pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Em todo o Brasil, 74,1% dos empregados tinham carteira de trabalho assinada, contra 75,3% no 3º trimestre de 2017, uma diferença de -327 mil pessoas. As Regiões Nordeste (58,7%) e Norte (60,7%) tinham os menores percentuais e a Região Sul (83,4%), o maior. Entre os trabalhadores domésticos, 28,9% tinham carteira de trabalho assinada. No mesmo trimestre do ano passado a proporção era de 29,7%. As UFs com os maiores percentuais foram Santa Catarin
Fórum Econômico Mundial aponta profissões em alta até 2022

Fórum Econômico Mundial aponta profissões em alta até 2022

Emprego, Notícias, Pesquisas
O relatório anual conhecido como Future of Jobs elaborado pelo Fórum Econômico Mundial (em inglês, World Economic Forum) apontou previsões sobre as principais profissões em alta e emergentes, além de alguns aspectos que marcarão o futuro do mercado de trabalho. Baseado em uma pesquisa extensiva com chefes executivos e de recursos humanos de grandes empresas globais, o relatório de 2018 mostra que as expectativas são, em maior parte, otimistas. Isso porque as ocupações emergentes e crescentes devem compensar os empregos que estarão em declínio. “Em todas as indústrias, até 2022, o crescimento em profissões emergentes está definido para aumentar a sua quota de empregos de 16% para 27% (11% de crescimento) do total de empregados dos respondentes, enquanto a parte de empregos de ocupações
Registros de CNPJ têm a primeira queda em 2017 após cinco anos

Registros de CNPJ têm a primeira queda em 2017 após cinco anos

Emprego, Notícias, Pesquisas
Em 2017, após cinco anos de crescimento, ocorreu a primeira queda na taxa de registro no Cadastro Nacional de Pessoas Jurídicas (CNPJ) entre as pessoas ocupadas como empregador ou trabalhador por conta própria. A proporção passou de 23,9%, em 2012, para 30%, em 2016, mas caiu para 28% em 2017. As informações são da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta quinta-feira (8). Segundo a pesquisadora Adriana Beringuy, no período de 2016 a 2017, as maiores quedas na taxa de cobertura do CNPJ ocorreram nas atividades que concentravam a maior parte da população ocupada: Serviços, com queda de 36,9% para 34,2%, Indústria geral, de 29,6% para 27,1%, e Comércio, reparação de veículos automotores e motocicletas, de 43,8% para 42,5%. “Justamente as ativi
Sindicalização cai para 14,4%, a menor taxa desde 2012

Sindicalização cai para 14,4%, a menor taxa desde 2012

Emprego, Notícias, Pesquisas
Das 91,5 milhões de pessoas ocupadas no país em 2017, apenas 13,1 milhões eram associadas a algum sindicato, segundo a Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), divulgada nesta quinta-feira, 8, pelo IBGE. A taxa de sindicalização, de 14,4%, é a menor desde o início da série histórica, em 2012, quando era de 16,2%. A pesquisadora Adriana Beringuy comentou que esta queda vem na contramão da ligeira recuperação de população ocupada em 2017. “É algo relativamente generalizado”, disse Beringuy. O setor de Alojamento e alimentação, por exemplo, teve crescimento de 10,6%, um acréscimo de 499 mil pessoas, mas reduziu ainda mais sua taxa de sindicalização: de 7,6%, em 2016, a taxa caiu para 6,8% em 2017. “Esse processo de sindicalização não depende apenas da quantida